Algumas pesquisas realizadas pelo site da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) mostraram que as pessoas conhecem a existência das suprarrenais e suas características gerais. 71% dos entrevistados afirmaram se tratar de uma glândula, porém, 7,8% destes acreditavam que se tratava de um hormônio. Para aumentar os conhecimentos gerais sobre as glândulas adrenais, conheça abaixo oito curiosidades sobre esse órgão tão importante para o nosso corpo:

  1. As glândulas suprarrenais têm cerca de 5 cm de diâmetro e ficam localizadas acima de cada rim.
  2. Elas fazem parte do sistema endócrino e produzem 5 hormônios importantes para o funcionamento do organismo: aldosterona, cortisol, adrenalina, noradrenalina e alguns hormônios sexuais chamados de andrógenos.
  3. A adrenalina e noradrenalina são importantes no funcionamento dos reflexos e do sistema de defesa do organismo, pois preparam o corpo para situações de emergência, aumentando o ritmo cardíaco, fluxo sanguíneo e pressão sanguínea; são ativadas em situações de emoções fortes e estresse.
  4. A adrenalina é bastante utilizada no tratamento de estados de choque, asma grave e alergia aguda. Quanto maior a sua concentração no organismo, menor a absorção de anestésicos e menor será o sangramento em caso de cirurgias e ferimentos.
  5. As taxas de sódio no organismo vão além da ingestão de sal. Os hormônios aldosterona e cortisol controlam o seu metabolismo e o do potássio, além do aproveitamento de açúcares, lipídios, sais e água.
  6. A Síndrome de Cushing causada pelo excesso de cortisol é uma doença que pode ser desenvolvida pelo estresse. Dentre os seus sintomas está o aparecimento excessivo de pelos na face, seios e abdome; o afinamento da pele – causando hematomas, fraqueza, cansaço, nervosismo, insônia, instabilidade emocional, ganho repentino de peso, face inchada, redonda com bochechas avermelhadas.
  7. O câncer nas glândulas adrenais é muito raro, mas é possível ocorrer. Seu tipo mais comum é o carcinoma adrenocortical, que se origina na camada cortical.
  8. Apesar de um câncer nas glândulas ser raro, podem aparecer feocromocitomas, tumores que são formados pelas células produtoras de adrenalinas. Esses tumores não podem ser tratados clinicamente, necessitando de retirada cirúrgica.