Um estudo da Universidade de Regensburg, na Alemanha, fez uma revisão de vários outros artigos que avaliaram a relação da atividade física como provável fator de proteção contra o câncer de bexiga.

A incidência de câncer de bexiga no mundo tem aumentado nos últimos 10 anos. Esse tumor é mais comum em idosos e pessoas do sexo masculino. Os principais fatores de risco são: tabagismo, ingestão de água contaminada por arsênico, exposição ocupacional a aminas aromáticas, obesidade e diabetes.

Foram avaliados 15 estudos, envolvendo mais de 5 milhões de pessoas.

Os achados mostraram que a atividade física reduziu significativamente a incidência de câncer de bexiga em ambos os sexos. Esse resultado foi semelhante quando analisados separadamente os obesos e fumantes, inferindo que o benefício da atividade física ocorre independentemente da redução do tabagismo ou perda de peso.

O exato mecanismo biológico pelo qual o exercício físico protege contra o câncer de bexiga não é bem esclarecido. Mas é conhecido que a atividade física promove detoxificação de carcinógenos; promove maior reparo de DNA danificado; modifica a proliferação e diferenciação celular, bem como a apoptose (mecanismo de morte celular); diminui inflamação crônica e melhora a função imunológica. Ou seja, melhora muitos fatores associados a gênese de câncer em geral.

Então, qual a conclusão do estudo?

  • O estudo sugere que a atividade física está associada a uma diminuição do risco de câncer de bexiga.
  • Serão necessárias novas pesquisas para determinar a intensidade, frequência e duração do exercício físico, bem como a época da vida em que ele é mais benéfico.

Referência:

The association between physical activity and bladder cancer: systematic review and meta-analysis. Br J Cancer. 2014 Apr 2;110(7):1862-70.

Crédito da Imgem:

http://trifattoinvoga.com.br/