As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) são transmitidas através da atividade sexual e sim, possuem cura. Apenas a AIDS não tem cura. A Herpes genital e o HPV não possuem cura através de medicamentos, mas podem ser curadas pelo próprio organismo da pessoa infectada. Mesmo sendo a maioria das DST’s curáveis, seus tratamentos costumam ser longos, geram preocupação e sofrimento. Por esta razão, relações sexuais devem ser feitas com métodos contraceptivos adequados, protegendo a saúde de ambos os parceiros.

As DST’s se manifestam por meio de feridas, verrugas, bolhas, manchas e até mesmo corrimento. As DST’s mais conhecidas são a gonorreia e a sífilis. Quando não são bem tratadas, as DST’s podem evoluir para casos graves como câncer e levar até a morte. Por isso, a consulta ao médico e seu devido tratamento são importantes para evitar problemas futuros.

Um levantamento do Ministério da Saúde mostrou que 10,3 milhões de brasileiros já tiveram algum sinal ou sintoma de uma Doença Sexualmente Transmissível.

Os números são alarmantes, mas o mais triste é ver esse número crescendo entre os adolescentes e jovens, que não dão a devida atenção para esse problema sério.

Assim que diagnosticado com DST, o paciente precisa fazer imediatamente o tratamento adequado, para não repassar aos próximos parceiros. Além disso, é muito importante que o paciente avise seus últimos parceiros sexuais do diagnóstico, para que estes também possam procurar tratamento.

Qual o tratamento?

O tratamento varia de acordo com o tipo de DST. O diagnóstico pode ser feito através de exame físico, exame de sangue e teste de urina e de secreções.

Após diagnosticado o tipo de DST, o tratamento pode incluir medicamentos orais ou injeções. Para as DST’s que não possuem cura, é feito o acompanhamento e tratamento dos sintomas.

Mulheres devem fazer anualmente o exame ginecológico. É imprescindível que as pessoas falem sobre o tema e façam a prevenção através do uso do preservativo.

Por mais que as DST’s tenham cura, elas não podem ser ignoradas. Há diversos tipos de DST’s que trazem sérios problemas aos pacientes. É recomendado visitas regulares ao médico urologista.