Atualmente, apesar do fácil acesso a informação, os índices de DST’s entre jovens vem aumentando significativamente. A vida sexual se inicial cada vez mais cedo e muitos preferem não ter um parceiro fixo e além disso não usam preservativos, disseminando Doenças Sexualmente Transmissíveis entre jovens e adultos.

Esse fato está ligado a grande quantidade de parceiros sexuais em pouco espaço de tempo e, claro, a falta do uso de preservativos, que é o principal protetor da saúde sexual, mas nem sempre é levado em consideração.

O tratamento de um DST não é tão simples quanto parece, e dependendo de sua gravidade, como é o caso da Aids, seu tratamento pode durar o resto da vida. As mulheres devem procurar um Ginecologista para exames preventivos e no caso do homem, o médico indicado é o Urologista.

Lista de DST’s mais populares

Algumas pessoas podem estar infectadas por alguma DST e ainda não terem se dado conta do problema, ou até mesmo deixado algum sintoma passar despercebido. Entre as DST’s mais comuns, estão:

  • Vaginose bacteriana, não costuma apresentar sintomas, mas quando aparecem são coceira vaginal, dor ao urinar e corrimento com odor de peixe;
  • Gonorreia, que causa dor ao urinar, sangramento fora da época menstrual, dor durante o sexo;
    Hepatite B, dor de cabeça, dores musculares, vômitos, febre baixa, cansaço, perda de apetite, urina escura e fezes pálidas;
  • HPV, que provoca verrugas genitais visíveis;
  • Sífilis, doença que se manifesta através úlceras na área genital, além de cansaço, perda de peso, garganta dolorida, manchas na pele e deve ser cuidada com urgência para não se agravar;
  • AIDS, que é a Doença Sexualmente Transmissível mais comentada e que mais faz vítimas, seus sintomas são febre e sudorese noturna, perda de peso rápida, tosse seca, perda de memória a curto prazo, diarreia, feridas nas áreas genitais e boca.

Como saber se estou com DST

Para um diagnóstico preciso, é importante fazer exames periódicos com os profissionais da saúde da área, ou até mesmo um Clínico Geral, que poderá solicitar os exames caso o paciente descreva e apresente alguns sintomas que podem sugerir a presença de alguma DST.

Em casos mais complexos, é preciso que o paciente deixe de praticar atividade sexual durante algum tempo de tratamento para evitar outros contágios, até mesmo com o uso de preservativos.